Suíça amplia investigações sobre Petrobras para incluir Odebrecht

0
106
Reuters
A procuradoria-geral da República da Suíça informou nesta quarta-feira que ampliou uma investigação de corrupção na Petrobras para incluir a maior empresa de engenharia e construção da América Latina, a Odebrecht, e suas subsidiárias.
Autoridades suíças têm colaborado com o Brasil na investigação sobre o escândalo de corrupção que envolveu a Petrobras desde pelo menos março.
Sua colaboração nas investigações brasileiras sobre a Odebrecht, no entanto, pode ser a chave para o rastreamento de subornos supostamente pagos aos ex-executivos da Petrobras.
"Subsidiárias da Odebrecht são suspeitas de usar contas suíças para fazer pagamentos de propina a ex-executivos da Petrobras, que também mantinham contas bancárias na Suíça", afirmou o gabinete do procurador-geral, em um comunicado.
Marcelo Odebrecht, presidente-executivo da Odebrecht, foi preso em São Paulo recentemente, e procuradores deverão apresentar acusações formais em breve, como parte do aprofundamento da investigações envolvendo a Petrobras.
Investigadores da Polícia Federal brasileira estão investigando relatórios que sustentam que Pedro Barusco, um ex-executivo da divisão de serviços da Petrobras, e Paulo Roberto Costa, um ex-diretor de Abastecimento da petroleira estatal, aceitaram subornos da Odebrecht.
O comunicado da investigação na Suíça segue declarações de autoridades de países latino-americanos, incluindo Peru, Equador e Colômbia, que estão colaborando com o Brasil ou que investigam por eles mesmos potencial corrupção em projetos envolvendo a Odebrecht.
Investigadores nos Estados Unidos e Panamá também têm colaborado com o Brasil, contribuindo com o crescimento das implicações globais da investigação de corrupção.
Promotores brasileiros disseram que a Odebrecht pode ter liderado o que eles chamam de um cartel de empresas de engenharia, acusadas ​​de sobreprecificar contratos com a Petrobras e distribuir o dinheiro extra como suborno entre si e para políticos, em sua maioria, membros de partidos da base do governo da presidente Dilma Rousseff.  
O conglomerado brasileiro, que responde por quase três quartos das infraestruturas construídas por empresas brasileiras no exterior, afirmou em um comunicado que iria solicitar informações de autoridades suíças para compreender o alcance das investigações e o motivo para incluí-lo como parte das investigações sobre a Petrobras.
Promotores brasileiros também abriram um inquérito separado para saber se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva impropriamente usou suas conexões no exterior para beneficiar a Odebrecht após deixar o cargo. O Instituto Lula tem dito que todas as atividades com a empresa eram legais.

Leave a reply

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close